A guerra entre Rússia e Ucrânia: Qual será o impacto na economia brasileira?

O Brasil pode sentir os efeitos do conflito entre Rússia e Ucrânia, em três frentes: combustíveis, alimentos e no câmbio. Ou seja, mesmo há 10.680 km de distância da guerra, a disputa além de impactar a inflação local, pode resultar, também em aumentos adicionais nos juros, comprometendo o crescimento econômico, que ensaiava uma tímida recuperação em 2022, ao reduzir o espaço para a melhoria dos preços e do consumo.

Publicidade

Segundo uma pesquisa divulgada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), a guerra entre Rússia e Ucrânia, deve agravar ainda mais as incertezas, que pairam sobre a economia global nos últimos meses. Na América Latina, em 15 países pesquisados, constatou-se a deterioração do clima econômico, por meio da queda do Índice de Clima Econômico, que caiu 1,6 ponto entre o quarto trimestre de 2021 e o primeiro trimestre de 2022.

Já no Brasil, os impactos, também deverão ser intensos, pois há uma exposição maior aos fluxos financeiros globais, que o restante dos países latino americanos, com o dólar subindo e a bolsa caindo mais que na média do continente, tanto que o mesmo Índice recuou 2,8 pontos, de 63,4 para 60,6 pontos, e apresentou a menor pontuação entre os países pesquisados na AL, entre o final de 2021 e início de 2022.

Publicidade

Combustível

O maior problema hoje para o Brasil é o preço internacional do petróleo, cujo barril do tipo Brent está em US$ 105 e segundo especialistas pode chegar a US$ 200. O mesmo ocorre com o gás natural, produto do qual a Rússia é a maior produtora global, segundo especialistas da própria Petrobrás, o BTU (medida de energia usada para o gás), pode chegar a US$ 30.

No Brasil, o gás natural é usado principalmente para o abastecimento das usinas termelétricas, utilizadas quando os reservatórios das usinas hidrelétricas estão com baixo nível d’água. Já no caso da gasolina, o que pode segurar um pouco os preços nesse momento seria a recuperação da safra de cana-de-açúcar, que impacta diretamente no preço do álcool anidro, componente do combustível.

Porém, as maiores pressões sobre o preço dos combustíveis estão ocorrendo sobre o diesel, que não tem a adição de etanol e subiu 3,78% só em janeiro, segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), que funciona como prévia da inflação oficial.

Alimentos

O Brasil é afetado diretamente pelo conflito e consequentemente pelo petróleo mais caro, pois, depende diretamente da Rússia, que é o maior produtor mundial de fertilizantes. Atualmente, o Brasil compra 20% dos fertilizantes do mercado russo. A crise no mercado de petróleo também pressiona os alimentos, o aumento do diesel também interfere indiretamente no preço da comida, ao ser repassado por meio de fretes mais caros.

Além disso, com a seca na Argentina, que é o maior fornecedor de trigo para o mercado local, o Brasil passa a depender, também da Rússia e da Ucrânia, respectivamente, primeira e quarta maiores produtores mundiais do grão.

Câmbio e juros

Outro fator pelo qual a crise entre Rússia e Ucrânia pode impactar a economia brasileira será por meio do câmbio. O dólar, que passou 2020 e 2021 ameaçando romper a barreira dos R$ 6,00 teve um movimento de valorização nesse início de ano, caindo e chegando a atingir R$ 5,00 na quarta-feira (23), porém com o conflito, subiu fechou a sexta-feira (25) a R$ 5,15. Por enquanto, os efeitos no câmbio são relativamente pequenos porque o Brasil se beneficiou de uma queda de quase 10% da moeda norte-americana no acumulado de 2022. O prolongamento do conflito, no entanto, pode anular a baixa do dólar no início do ano.

Futuro

Neste cenário o impacto econômico, já preocupa o Ministério da Economia do Brasil, o mercado financeiro e os demais agentes econômicos brasileiros, tudo porque o mundo, que já passava por um momento de alta dos preços e estava apenas iniciando a recuperação da crise da covid-19, tem na guerra um possível retrocesso.

Caso o dólar continue a subir e a inflação não ceder, o Banco Central do Brasil, que até março de 2021, tinha a menor taxa básica de juros da história, 2% ao ano, e por conta da crise econômica e da pressão inflacionária, promoveu aumentos seguidos, chegando a 10,75% em fevereiro de 2022, com uma projeção de que  a Selic alcance 11,75% no fim de 2022, pode ver-se obrigado a aumentar ainda mais a taxa Selic (juros básicos da economia), como forma de tentar controlar a alta de preços e consequentemente a inflação, prejudicando ainda mais o crescimento econômico para este ano, que segundo o último boletim Focus, tem uma projeção anual de inflação oficial para 5,56% em 2022 e a previsão de crescimento para o Produto Interno Bruto (PIB) de tímidos 0,3% neste ano.

Otimismo

Mesmo com esse cenário preocupante, o Ministério da Economia no Brasil, se mostra confiante no crescimento da economia brasileira em 2022. Segundo o ministro da economia Paulo Guedes, o país tem R$ 828 bilhões de investimentos privados contratados para os próximos 10 anos, além de ter conseguido melhorar a situação fiscal, segundo as palavras do ministro. Guedes disse que o déficit primário brasileiro recuou de 10% do PIB (Produto Interno Bruto) em 2020 para 0,4% do PIB em 2021.

Quanto a guerra o secretário do Tesouro Nacional, Paulo Valle, disse que o Brasil está preparado para os impactos econômicos. Segundo ele, o país tem grandes reservas internacionais e baixa participação de estrangeiros na dívida pública, o que ajudaria a enfrentar os riscos de uma turbulência externa prolongada.

Entenda sobre a guerra

Após a Revolução Russa, a Ucrânia foi absorvida pela União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) em 1922. Recuperando a sua independência em 1991, com o fim da URSS. As atuais fronteiras foram fixadas em 1954, pelo então líder soviético Nikita Khrushche, inclusive transferindo a península da Crimeia como um “presente” para fortalecer os laços entre as duas nações.

Contudo, o conflito entre Rússia e Ucrânia começa oficialmente em 2014, quando Moscou anexou a Crimeia e passou a armar separatistas da região de Donbass, no Sudeste. Há registro de mais de 15 mil mortos a partir disso. Essa era uma demanda de grupos nacionalistas russos que aguardavam o retorno da península ao território da Rússia desde a queda da União Soviética, em 1991.

Portanto, por sua vez a Ucrânia desde sua independência, sempre buscou alinhamento com a União Europeia e Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), mesmo com profundas divisões internas que separavam a população. De um lado, a maioria dos falantes da língua ucraniana que apoiavam a integração com a Europa. De outro, a comunidade de língua russa, ao leste, que preferiam o estreitamento de laços com a Rússia. A aproximação com a União Europeia e a Otan sempre foi considerado uma ameaça para a soberania Russa. Por outro lado, a Ucrânia nunca aceitou que Putin interferisse no seu território.

Em suma, no dia 24/02/2022, depois de várias ameaças e ataques verbais de ambos os lados e da interferência da Otan a de países como os EUA, Alemanha, França e Reino Unido em pró dos Ucranianos e dos Chineses em favor dos russos, o presidente russo Vladimir Putin, invade a Ucrânia começando a guerra.

Veja também: Banco Central da Rússia fecha bolsa de Moscou e sobe taxa de juros para 20%

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário