Saneamento não chega a 35 milhões de pessoas

Cerca de 35 milhões de pessoas não possuem acesso à água tratada 

Publicidade

Após aprovação do Novo Marco do Saneamento, em 2020, estudo do Instituto Trata Brasil aponta 30 milhões de brasileiros vivendo em cidades com contratos irregulares de saneamento básico.  

O estudo divulgado na terça-feira, 12, tem parceria com a GO Associados. Uma das metas previstas no novo marco é a universalização do saneamento até 2033, prevendo que 99% do país tenha acesso à água potável, e 90% ao tratamento de esgoto.  

Publicidade

Realidade sanitária 

O último levantamento sobre os dados do saneamento no país é de 2020. Segundo o Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), apenas 55% dos brasileiros possuem acesso à rede de esgoto e 84% deles têm cobertura de água.  

Os dados indicam que metade do país não acessa redes de esgoto e quase 35 milhões de pessoas sobrevivem sem água tratada. As consequências dessa circunstância impactam diversas áreas da vida; hospitalizações, efeitos econômicos e problemas de ordem educacional e social.  

Corrida contra o tempo  

Um decreto do ano passado estabeleceu a obrigatoriedade da apresentação de documentação que comprove capacidade econômica e viabilidade financeira dos municípios.  

O decreto abrange todas as cidades com distribuição sob tutela de companhias estaduais – ao todo, cerca de 3,9 mil estavam nessas condições, 70% das cidades do país. Embora as concessões e empresas municipais também devam cumprir os critérios do novo marco, não há necessidade de comprovação de documentos. É prerrogativa prevista na Constituição a responsabilidade sobre o saneamento ser municipal, e não estadual.  

O estudo do Instituto Trata Brasil se debruça sobre a situação dessas cidades, a análise indica que 2,7 mil estão em situação regular. Entretanto, 30% foram consideradas fora dos critérios ou não entregaram a documentação comprobatória. Esta porcentagem representa 1,1 mil cidades.  

Dados que fornecem um panorama sobre a difícil situação mostram que enquanto 85% da população das cidades possuem acesso devido, apenas 64% das pessoas residentes em cidades consideradas irregulares possuem acesso à água potável. Ao falarmos de tratamento de esgoto, 58% possuem acesso nas cidades aptas, apenas 29% nas cidades irregulares. 

 

Saiba mais:https://boasideias.com.br/com-inflacao-em-alta-brasileiro-adota-novas-estrategias-para-fazer-compras/

 

A menos de seis meses para o início, a Copa do Mundo já começou para o comércio

 

PEC do auxílio aos caminhoneiros desagrada categoria; proposta será votada na Câmara

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário