Pix: Entenda a nova modalidade de pagamentos que chegou para revolucionar o mercado financeiro e seus resultados com pouco tempo de lançamento

Pix: Entenda a nova modalidade de pagamentos que chegou para revolucionar o mercado financeiro e seus resultados com pouco tempo de lançamento
Pix: Entenda a nova modalidade de pagamentos que chegou para revolucionar o mercado financeiro e seus resultados com pouco tempo de lançamento

Ele veio realmente para revolucionar, afinal seus benefícios são únicos e exclusivos do sistema criado pelo BC (Banco Central) que fez o pré-lançamento da ferramenta de pagamentos e transferências instantâneas no início deste ano e aguçou consumidores durante o período de teste até a data de lançamento oficial para uso geral feita em outubro/2020.

A nova ferramenta traz facilidade, rapidez e muito menos burocracia em comparação as outras opções de transferências padrões do mercado. Afinal o dinheiro vai do pagador ao recebedor praticamente instantaneamente de forma simples bastando inserir uma chave de acesso, que nas outras ferramentas seriam agencia, conta, nome completo, CPF, tipo de conta e banco. Posteriormente, essa transação poderá ser feita a qualquer dia e hora sem haver a precisão de o consumidor aguardar dias úteis para realizar suas transações, sejam elas pagamentos ou transferências.  Para saber mais sobre o Pix, acompanhe este artigo e entenda suas chaves e saiba como está sendo seus resultados após lançamento.

Pix: Entenda a nova modalidade de pagamentos que chegou para revolucionar o mercado financeiro e seus resultados com pouco tempo de lançamento
Pix: Entenda a nova modalidade de pagamentos que chegou para revolucionar o mercado financeiro e seus resultados com pouco tempo de lançamento

Transferências instantâneas

Primeiramente, vamos iniciar citando o benefício do Pix que mais chamou atenção ao ser lançado, que é a agilidade nas transações feitas pelo usuário. Afinal as mesmas serão compensadas instantaneamente e poderão ser feitas por aplicativos de bancos de pagamentos ou internet banking em computadores. Contudo, as transações suspeitas de fraude poderão levar até 30 minutos para serem finalizadas, pois este é o tempo necessário para verificação.

Entenda as chaves

Conforme citamos no início do artigo o Pix possui chaves a serem utilizadas nas transações. Ferramenta que o torna ainda mais diferenciado, pois as chaves dispensam que o usuário informe todos os longos dados bancários. Sendo assim, o sistema permite o cadastro de até cinco chaves associadas a uma conta bancária, posteriormente através dela será possível encontrar o destinatário do pagamento sem precisar dos outros dados de identificação.

Posteriormente, poderão ser usados como chave o número do celular, e-mail, CPF, CNPJ ou uma chave aleatória gerada especialmente para o Pix com 32 dígitos. Ou seja, ao realizar uma transação basta inserir algumas dessas chaves para que o sistema localize o recebedor dessa transação. Caso o recebedor não possua nenhuma dessas chaves será preciso repassar os dados bancários tradicionais.

Depois disso, vale ressaltar que esta chave aleatória, permite o recebimento de pagamentos sem precisar informar nenhum dado pessoal como CPF e e-mail, por exemplo. Portanto, esta chave criada possui letras e números possibilitando também a geração de um código de barra do tipo QR Code, onde facilita o pagamento lido por uma câmera de celular. Contudo, vale ressaltar que esses códigos podem ser fixos com um valor de venda ou variáveis sendo então criados para cada venda com diferentes valores.

Há limites?

Acima de tudo, é importante frisarmos esta importante informação, pois os valores que serão transacionados através do novo sistema vão variar conforme o perfil de cada cliente, assim como outros serviços bancários. Por isso, o limite pode variar de no mínimo 50% do valor das transferências tipo TED até o valor permitido para realização de compras no débito além dos dias da semana e horário em que o Pix for utilizado.  Posteriormente, vale lembrar que transferências também podem ser agendadas, bem como acontece com o TED e DOC.  

Tarifas serão cobradas?  

Não para pessoas físicas. O Pix é totalmente gratuito para as transferências ou recebimentos realizados por pessoas físicas. Consequentemente, tarifas poderão ser cobradas se o sistema for usado como meio de recebimento de produtos, vendas ou serviços. Instituições também poderão tarifar o uso do serviço telefônico ou presencial. No entanto, as mesmas são livres para cobrar essas tarifas aos usuários jurídicos, em outras palavras, empresas podem pagar por essas tarifas.  

Informações complementares após o lançamento oficial do Pix

O novo sistema acabou de ser lançado oficialmente, por isso é durante o uso da nova modalidade que usuários disfrutam dos seus benefícios e detectam pontos a serem informados e quem sabe melhorados no decorrer da sua utilização. Por isso, a equipe BI (Boas Ideias) realizou uma pesquisa sobre fatos informativos sobre o Pix desde seu lançamento até então. Confira a seguir:

  • O sistema não vai oferecer opção de crédito, ou seja, para transferir, realizar pagamentos ou receber será preciso possuir saldo em conta;
  • Não será possível cancelar transação após confirmação de pagamento;
  • É possível cancelar sua chave Pix em caso de desistência, basta entrar em contato com seu banco;
  • Empreendedores individuais não pagarão por tarifa para usar o Pix.

E você, já cadastrou sua chave para utilizar a ferramenta que promete revolucionar os serviços de transferências e pagamentos no país? Conta para nós aqui nos comentários!

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*